1º de maio – Parabéns a todos os vigilantes do Rio Grande do Norte

0
26

Esse primeiro de maio de 2021 é um dos mais desafiantes, se não o mais, de toda a história trabalhista brasileira. O Dia de Luta do Trabalhador e da Trabalhadora não será celebrado nas ruas.

Esperamos que o dia internacional do trabalhador reforce a consciência de classe, sendo lembrado com espírito de luta por melhores condições de vida, mas também por um mundo mais justo e igualitário.

Todo ano, no dia 1º de Maio, o Dia do Trabalhador é comemorado. As organizações sindicais de centenas de países ao redor do mundo saem as ruas para exigir mais direitos, comemorar conquistas históricas e relembrar que o trabalho é a força geradora de riqueza no sistema em que vivemos. Nesse ano de 2021, entretanto, as passeatas não existirão: em meio à pandemia de coronavírus, as aglomerações continuam proibidas e não será possível ver o mar de bandeiras nas ruas.

Desde suas origens no século 19 até a quarta revolução industrial, o mundo do trabalho e a forma como os trabalhadores se organizam se transformaram profundamente. As dinâmicas de produção globais foram alteradas, os direitos trabalhistas conquistados e os modelos de jornada foram completamente alterados.

Vale lembrar que essa data foi estabelecida após na cidade de Chicago, do centro-oeste norte-americano, milhares de trabalhadores protestaram e entraram em greve contra as condições desumanas de trabalho e a jornada exaustiva de 13 horas trabalhadas por dia. Essa greve, ocorrida há 127 anos, paralisou os Estados Unidos. A manifestação foi repreendida pela polícia e resultou na morte de centenas de trabalhadores e prisão de seus dirigentes. Dois anos depois, em 1889, em Paris (França), a central sindical Segunda Internacional institui o dia 1º de maio o Dia do Trabalhador e seguiu a luta pela redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias.

Aos poucos, muitas outras Leis Trabalhistas, como o descanso aos domingos, férias, licença maternidade, aposentadoria, Previdência Social, salário mínimo, foram sendo conquistados. Todas essas conquistas, a exemplo da redução da jornada de trabalho, foram obras dos próprios trabalhadores. Desde as primeiras formas de organização no final do século XIX, até os dias atuais com os sindicatos.