ADS demite arbitrariamente diretores do Sindsegur

Os dirigentes sindicais Pablo Henrique e Josenilson do Nascimento, membros da diretoria do Sindsegur foram demitidos de forma arbitrária e injustificada pela empresa ADS Segurança na última quinta-feira, 01 de abril.

A demissão do atual coordenador geral do Sindsegur e do diretor de comunicação, se da após um histórico de muita mobilização e luta dos dirigentes em defesa dos direitos dos vigilantes patrimoniais do RN. Diariamente os diretores da nossa entidade denunciam empresas que descumprem os direitos da categoria.

A medida autoritária tomada pela ADS representa um grave atentado à liberdade de organização sindical e, por isso, será denunciada politica e judicialmente.

A liberdade de organização sindical é fundamental para defender os direitos históricos que hoje são violentamente ameaçados por empresários e também por oportunistas que se aliam aos patrões usando o trabalhador como moeda de troca para atender interesses pessoais.

Exercer a atividade sindical é um direito garantido por Lei, que deve ser respeitado por todas as empresas. A estabilidade do dirigente sindical está prevista no artigo. 8º , VIII , da Constituição Federal e 543 , § 3º , da CLT.  Tais garantias tem como objetivo garantir o mandato do trabalhador eleito para dirigente sindical, a fim de que este possa melhor desempenhar suas funções, livre de pressões ou represálias por parte dos patrões.

Por sua vez, a demissão sem justa causa do empregado detentor de mandato no sindicato profissional constitui conduta antisindical da empresa, atentando contra o direito de liberdade sindical, e deve ser frontalmente repudiado.

Práticas de perseguição se tornam cada vez mais comuns na tentativa de conter a organização dos trabalhadores. Através destas práticas antissindicais os empresários tentam enfraquecer ao máximo a categoria, que é representada pelo  Sindsegur, pois os patrões sabem da importância da nossa entidade pra fazer valer os direitos dos vigilantes.

Portanto, a diretoria do SINDSEGUR afirma que não vai aceitar nenhum tipo de punição aos dirigentes que estão diariamente na luta. Não adianta os patrões tentarem intimidar os diretores da nossa entidade. Vamos continuar protestando e cobrando das empresas o merecido respeito aos direitos trabalhistas da nossa categoria.

O SINDSEGUR não vai se calar, muito menos deixar de lado a organização dos trabalhadores. Nosso sindicato tem uma diretoria atuante, formada por homens e mulheres de luta comprometidos com a causa dos vigilantes e da classe trabalhadora. “Essa sempre foi e sempre será a meta dessa diretoria, que é estar ao lado dos trabalhadores, nunca ao lado do patrão”, afirmou o coordenador geral do Sindsegur Pablo Henrique.

A nossa luta é por direitos e também contra todos que não respeitam trabalhadores e trabalhadoras. Vamos à luta! Pela imediata reintegração dos companheiros. Junte-se a nós e ajude a fortalecer a luta por dignidade e valorização profissional.

Deixe um comentário